quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Olafur Eliasson - SEU CORPO DA OBRA


Microscópio para São Paulo, 2011

Seu Corpo da Obra, 2011
Sob uma visada inicial a obra de Olafur Eliasson não lida com questões audiovisuais. Usando materiais que já eram viáveis no final séc. XIX (espelhos, filtros, suporte de metal e madeira, água, fumaça, luz) trabalhados com o aporte das mais recentes e avançadas tecnologias de produção, o artista consegue dar forma às suas idéias contemporâneas.
O 17º. FESTIVAL INTERNACIONAL VIDEOBRASIL, que agora não comporta apenas vídeo, mas abarca toda forma de produção artística contemporânea, traz ao Brasil a primeira exposição individual do artista dinamarco-islandês na América Latina com curadoria de Jochen Volz (diretor de Inhotim). As obras, grandes instalações e /ou esculturas, algumas pensadas especificamente para os espaços em que se encontram, estão espalhadas por São Paulo (SESC Pompéia, SESC Belenzinho e Pinacoteca).

Seu Caminho Sentido, 2011


Apesar de o uso de vídeo, cinema, sons não se fazer evidente na maioria das obras, os trabalhos instigam uma percepção audiovisual. Lidam com imagens e sons reais, e tentam promover uma subversão de nossas expectativas realistas. As obras são ao mesmo tempo complexas estruturalmente e aparentemente simples, os jogos de ótica e sonoridade mexem profundamente com o participador da obra, sim participador, pois todos os trabalhos instigam a participação do espectador. O envolvimento é intenso principalmente em obras como Microscópio para São Paulo, o prisma gigantesco que está na Pinacoteca, e em o Seu Caminho Sentido, galpão de luz e fumaça que gera uma verdadeira cegueira branca. A experiência corporal sem dúvida instiga todos os sentidos.


videoRegistro trecho Sua Cidade Empática, 2011
Sua Cidade Empática (SESC Pompéia) é o único trabalho em que ocorre o uso efetivo do vídeo. Na videoinstalação, realizada em parceria com Karim Aïnouz, imagens e sons captados na cidade de São Paulo são exibidos com uso de três projetores e spots de luz colorida pulsante que acaba por provocar, eventualmente, uma sensação ótica estranha de efeito de pós-imagens na retina de quem presencia a obra, resultando num caótico vaudeville urbano.




Dica: Quem estiver por São Paulo procure pelas ruas bicicletas com discos espelhados em lugar das rodas, outra obra do artista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário